Blog

É hora de cuidarmos de nós e de todos nós!

#ForaCoronavirus

Está se cuidando direitinho?

As recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) são relativamente simples, mas é necessário mudar um pouco a rotina, pra enfrentar o coronavírus.

Entre as medidas pra evitar o contágio, é preciso:

- Redobrar os cuidados com a higiene, lavando bem as mãos com água e sabão e usando álcool em gel. E se, por acaso, não encontrar álcool em gel aí na sua região, capricha na água e sabão, que é sucesso também;
- Higienizar também objetos como celulares, teclados, cadeiras, maçanetas etc.;
- Cobrir a boca ao tossir ou espirrar e, de preferência, usar lenços descartáveis pra higiene da área do nariz e boca;
- Não tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas;
- E o mais importante nesse momento é ficar em casa, evitando aglomerações e lugares públicos.

Outras ações como se alimentar bem e se hidratar também estão valendo, já que ajudam a fortalecer o sistema imunológico.

Não se esqueça que a saúde mental também precisa de atenção durante esse período louco que todo mundo está vivendo.

Aproveite esse tempo “ocioso” para aprender coisas, ler, ver filmes, trabalhar, estudar, e pense que isso tudo vai passar e logo voltaremos à nossa vida normal!

Então, se cuida, por você e pelos outros também.

Estamos tomando precauções e agindo de acordo com o recomendado e esperamos enfrentar e passar juntos por esse momento delicado. Continuamos a disposição para qualquer dúvida, sugestão e o que mais quiser saber, juntos somos mais fortes.

#TODOSPORTODOS #SOMOSUNIFIBRA

Unifibra, pioneira na fabricação de equipamentos para escoamento e enriquecimento de vinhaça

Com investimentos ultrapassando a casa dos R$ 8 milhões, a empresa pretende dobrar sua produção para atender a demanda com o RenovaBio.

O uso adequado da vinhaça está entre as soluções que contribuem para que o setor obtenha mais CBios. Também conhecida como vinhoto e restilo, a vinhaça é um resíduo líquido derivado da destilação do vinho, resultante da fermentação do caldo da cana-de-açúcar ou melaço. Para cada litro de álcool produzido, é gerado, pelo mesmo processo, em média 13 litros de vinhaça. Por ser rica em matéria orgânica, potássio e outros nutrientes, a vinhaça, antigamente vista como fonte potencial de poluição, passou a ter um grande valor econômico na lavoura da própria cana-de-açúcar, sendo aproveitada para fertirrigação. Esse aproveitamento reduz o custo de aplicação de fertilizantes, pois se economizam máquinas, mão de obra e compra de adubos químicos.

A vinhaça possui um alto valor de fertilizante em solos, no entanto são necessários cuidados no armazenamento, transporte e aplicação para que não cause danos ao meio ambiente, o que exige a necessidade de alguns cuidados na escolha e manutenção dos equipamentos utilizados no manejo desse resíduo. No momento várias empresas do setor estão trabalhando com enriquecimento da vinhaça para fertilização do seu canavial, temos soluções integradas agregando tanques estacionários e agitadores para facilitar o processo, gerando economia e ajudando a descarbornização.

Para o transporte da vinhaça em caminhões, os tanques em fibra de vidro, plástico reforçado em fibra de vidro (PRFV) são ideais, pois apresentam alta resistência à corrosão, baixo custo de manutenção e proporcionam um armazenamento mais seguro.

A Unifibra fabrica tanques de transporte (elíptico, semi-elíptico e cilíndrico), tanques especiais como o modelo exclusivo Off-Road para aplicadores de vinhaça localizada, reservatórios para armazenamento e realiza manutenção e recuperação, assim como locação de tanques de transporte e carretas. Também produz peças e acessórios para reservatórios e tanques de transporte.

A empresa também atende a indústria química, petroquímica, cervejaria e saneamento básico. Mas o setor sucroenergético representa 70% de seu faturamento, o que justifica os lançamentos mais focados na agroindústria canavieira e a aposta no RenovaBio. "Sabemos que estamos no caminho certo, achamos que os investimentos serão pontuais para um novo rumo à política do biocombustível, proporcionando novas vagas de emprego na região. O Brasil precisa dessa força", afirma Fernando Nardelli, Diretor-Comercial da Unifibra.

Consórcio de máquinas agrícolas cresce 67% em 4 anos

O consórcio de máquinas agrícolas teve crescimento de 67% no total de participantes de março de 2015 até maio de 2019. Foi o que constatou pesquisa realizada pela assessoria econômica da ABAC, em maio. Conheça!

Segundo dados de administradoras associadas à ABAC que atuam no setor de máquinas e implementos agrícolas, o número de consorciados era de 69,5 mil, em 2015, enquanto já são 116,3 mil, em 2019.

Do total de 116,3 mil de consorciados ativos registrados em maio, 60,6 mil eram pessoas físicas, que representaram 52,1%, enquanto as jurídicas, com 47 mil, significaram 40,4%. Os produtores rurais ficaram com 7,5%, somando 8,7 mil consorciados. Os consorciados de máquinas e implementos agrícolas representam 36,5% de todos os participantes do consórcio de veículos pesados, segmento no qual ele está inserido.

Divididos por região, a Sudeste ficou com o maior volume de participantes, com 36,1% ou 42 mil. Nas outras regiões, os percentuais e respectivos totais mostraram: Sul com 28,4% ou 33 mil consorciados; Centro-Oeste com 22,3% ou 25,9 mil; Nordeste com 7,7% ou 9 mil; e Norte com 5,5% ou 6,4 mil.

Com crédito médio de R$ 184,3 mil verificado em maio, o segmento apontou valores praticados entre R$ 60,1 mil e R$ 676,8 mil. Parcela significativa dos contemplados adquiriu tratores de rodas e esteira (40%), seguidos dos implementos agrícolas/rodoviários (30%). Na sequência, vieram as colheitadeiras (19%) e os cultivadores motorizados (11%).

Os prazos dos grupos variaram de 60 a 120 meses, com média de 114 meses. A taxa de administração média mensal praticada ficou em 0,110%.

Consórcio de máquinas agrícolas:
investimento a longo prazo

O consórcio atende àqueles que planejam comprar máquinas e equipamentos móveis e fixos com mais tecnologia embarcada e que proporcionem mais lucratividade. Devido às características especiais desses grupos, o investimento é feito a médio e longo prazos e sem comprometer os recursos dos consorciados.

Há quatro possibilidades de pagamento das parcelas no consórcio para máquinas e equipamentos agrícolas:

Pagamentos normais;
Pagamentos por safra – pagamentos anuais;
Pagamentos por safra – adiantamentos – pagamento trimestral ou semestral; e
Meia parcela (reforço trimestral ou semestral).

Fonte:Blog da ABAC